16/08/2018

29º Prêmio da Música Brasileira - Ano Luiz Melodia

Um dos principais renovadores e inovadores da canção nacional, Luiz Melodia foi o grande homenageado da 29ª edição do Prêmio da Música Brasileira, realizado no Theatro Municiapal do Rio na noite da última quarta-feira (15). O artista morreu em agosto de 2017, aos 66 anos, vítima de um câncer.

O violonista Yamandu Costa levou dois prêmios: melhor álbum instrumental ("Quebranto", em parceria com Alessandro Penezzi) e melhor solista. Chico Buarque conquistou o prêmio nas categorias Melhor Canção ("Tua cantiga", em parceria com Cristóvão Bastos) e Melhor Álbum de MPB por "As caravanas", produzido por Luiz Cláudio Ramos.

O arranjador Mário Adnet também saiu do prêmio com duas vitórias: Melhor Arranjador por "Jobim Orquestra e convidados" e Melhor DVD, pelo mesmo trabalho, em gravação dirigida por Nelsinho Faria. Mônica Salmaso foi outra que conquistou duas premiações: Melhor Álbum de Música Regional, por "Caipira", produzido por Teco Cardoso, e Melhor Cantora na mesma categoria.

Moacyr Luz e o samba do trabalhador também levaram duas premiações: Melhor Álbum de Samba, "Ao Vivo, no Bar Pirajá", produzido por Max Pierre, e Melhor Grupo, na mesma categoria.

A cerimônia teve 10 apresentações dedicadas à obra de Luiz Melodia: Fabiana Cozza interpretou "Ébano", Lenine e João Cavalcante defenderam "Congênito", Alcione cantou "Estácio, Holly Estácio", Céu trouxe "Salve linda canção sem esperança", Áurea Martins e Xênia França mostraram "Juventude transviada", a família Veloso - Caetano, Maria Bethânia, Moreno, Zeca e Tom - explorou "Pérola negra", Zezé Motta e Sandra de Sá fizeram dueto em "Dores de amores", Baby do Brasil levou ao público "Magrelinha" e Lazzo, Iza e Liniker finalizaram com "Negro gato".

No entanto, o melhor show da noite chegou pelas mãos de Yamandu Costa e Hamilton de Holanda e pela voz de Pedro Luís em uma interpretação visceral de "Fadas".

 

Fonte: G1 Mauro Ferreira