20/05/2019

Los Hermanos reuniram 45 mil pessoas em São Paulo

O público claramente gosta de ver os Los Hermanos de volta. No maior show de sua turnê (e talvez de sua carreira), o quarteto carioca se despediu novamente e mostrou que o sentimento é recíproco ao apresentar sua melhor forma desde o hiato de 2007 para 45 mil pessoas em um Allianz Parque esgotado em São Paulo no último sábado (18).

Os fãs acompanharam a banda ao longo de toda a apresentação de quase duas horas, com sucessos de todos os seus quatro discos. "Corre corre", primeira canção nova lançada em abril após 14 anos sem novidades, foi a única intrusa.

Após quatro anos sem shows, o grupo respondeu à energia de um estádio lotado e se mostrou mais à vontade. Em uma apresentação leve e bem mais espontânea que as automáticas de 2012 e de 2015, os vocalistas Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante ainda seguiram o roteiro à risca, mas pareciam se divertir muito mais.

O maior problema ficou com os telões instalados nas laterais do palco. Pequenos e intercalando a transmissão do show com imagens aleatórias, mostram uma falta de vocação para grandes apresentações em estádios.

Afinal, eles podem ter oferecido boa decoração para quem estava próximo, ainda mais somados ao cenário com luzes de LED atrás da banda, mas deixaram o público mais afastado sem conseguir acompanhar exatamente o que acontecia no palco.

 

Montanha-russa

A banda montou mais um repertório que eles mesmos chamam de "montanha-russa". "A flor", música de "Bloco do eu sozinho" (2001), animou o público de saída ao abrir o show com os vocais de Camelo e de Amarante.

Mesmo assim, precisou de mais quatro músicas até que acontecesse a primeira interação com a plateia. "É um prazer estar com vocês nessa noite linda de lua cheia", afirmou Camelo. A chuva dos últimos dias por sorte deu trégua, mas infelizmente ainda assim não era possível confirmar se ele estava certo.

Por volta da sétima canção, "Condicional" (do disco "4"), um arranjo um pouco mais barulhento e estridente mostrou uma bem-vinda vontade de ser um pouco diferente. O público, no entanto, não respondeu tão bem e por um tempo era possível testemunhas alguns grupos conversando.

A dispersão pelo menos durou pouco. "A outra", de "Ventura", recuperou a atenção da galera com seu refrão sofrido e ritmado somado a uma bela luz vermelha que iluminou todo o estádio.

Depois disso, a energia guardada explode na sequência de quatro canções do primeiro disco, "Los Hermanos" (1999) com sua velocidade mais hardcore. "Tenha dó", "Quem sabe" (com direito a Amarante descendo o palco e se jogando em cima do público), "Descoberta" e "Anna Júlia" fazem o trabalho de prender de vez a atenção e os olhares dos fãs.

 

 

 

 

Fonte: G1 Música