18/11/2019

Skank grava inéditas para saideira

Postada nas redes sociais do Skank, a foto de Diego Ruahn mostra Samuel Rosa em estúdio. A legenda – "Rapaziada, registro da semana no estúdio gravando músicas inéditas para o ano que vem" – é sucinta, mas clara.

A banda – que em 3 de novembro anunciou parada nas atividades após turnê de despedida programada para 2020 – vai lançar pelo menos duas músicas inéditas ao longo do próximo ano.

A estratégia é recorrente na indústria da música pop. Até porque, no embalo da saideira do grupo, está prevista a edição de disco retrospectivo da trajetória fonográfica do Skank, quarteto formado em 1991, em Belo Horizonte (MG) por Samuel Rosa (voz e guitarra), Lelo Zaneti (baixo), Henrique Portugal (teclados) e Haroldo Ferretti (bateria).

Antes de sair de cena, a banda deverá lançar singles com músicas inéditas que serão devidamente incluídas no roteiro do show da derradeira turnê da banda.

Cabe lembrar que, quando estava em turnê nacional com o show Os três primeiros, também de caráter retrospectivo, o Skank lançou duas gravações inéditas em 2018 para turbinar o registro desse espetáculo de roteiro calcado nos três primeiros álbuns da banda.

Uma das duas gravações trazia música realmente nova, Algo parecido, uma das canções mais apaixonantes de Samuel Rosa. A outra era registro do reggae Beijo na Guanabara, parceria de Samuel com Rodrigo Leão lançada em disco da cantora Renata Arruda em 1999 e nunca gravada pelo Skank até 2018.

 

 

 

 

Fonte: G1 Mauro Ferreira