21/03/2022

Filme de suspense tem a melhor reviravolta de todos os tempos

O ano de 2010 foi um ponto alto para Leonardo DiCaprio, que estreava dois personagens presos em enredos agonizantes: Teddy Daniels em Ilha do Medo e Dom Cobb em A Origem. Com apenas quatro meses entre as estreias, o primeiro filme do ator acabou se perdendo no hype gigante do trabalho de Christopher Nolan.

O lado bom é que agora é possível reassistir Ilha do Medo em casa, já que o filme está disponível em vários streamings: Netflix, HBO Max, Telecine (Globoplay) e Paramount+.

O thriller de mistério de Martin Scorsese alcançou um pequeno status de filme cult, apesar da competição com A Origem. Mas quando se compara estes dois enredos, vemos que ele não fica atrás de Nolan com sua reviravolta brilhantemente preparada.

 

SOBRE O QUE É ILHA DO MEDO

A trama começa como um suspense noir e se passa em 1954. O marechal americano Teddy Daniels e seu novo parceiro Chuck Aule (Mark Ruffalo) são encarregados de resolver um caso no Hospital Ashecliffe para criminosos mentalmente perturbados e viajam para as instalações em uma ilha. Logo, são isolados do resto do mundo por uma tempestade.

O diretor Scorsese gradualmente sacode o cenário com sinais muito claros de interferência paranóica. O público percebe que algo está errado e é contagiado pelo desempenho brilhante de DiCaprio e seu medo de perseguição. A grandiosa construção de suspense é alcançada usando meios às vezes incomuns.

 

AS PISTAS ESCONDIDAS CRIAM HORROR E INCERTEZA

Scorsese deliberadamente provoca insegurança nos espectadores ao incorporar pequenos erros e deslocamentos que dificilmente podem ser percebidos na primeira vez que se assiste. Nossa percepção dos eventos parece pouco confiável, assim como as avaliações da situação por Teddy, o papel principal e figura de identificação. Isso cria um horror frio e constante que não se dissolve até o final.

O desfecho do filme é devastador e ao mesmo tempo aliviador, é satisfatório e ao mesmo tempo deixa uma desagradável dúvida residual. Acima de tudo, no entanto, todo o filme e seus componentes individuais são voltados para a única reviravolta que vira o enredo de 2 horas de cabeça para baixo (ou confirma certos palpites, dependendo do seu ponto de vista). Os últimos cinco minutos definitivamente oferecem potencial para ujma longa discussão.

 

fonte: Lara Deus - G1